Andréa Góes

Se eu fosse eu

Se eu fosse eu
Fugiria da lucidez
Pararia de fingir que caminho com essas pernas bambas,
que me movo com esses braços largos, desencontrados
Encontraria nas nuvens o meu espaço,
Seria, enfim, tudo o que faço
quando ninguém vê, ouve ou sente
Assumiria as asas que tenho,
os vôos noturnos que escondo,
tudo o que está oculto nos meus escombros
Me guiaria pela lua,
em plena luz do dia.
Eu seria loucura,
e essa seria a única roupagem necessária que bastaria. Leia mais

Jey Leonardo

É bonito ser imperfeito, desde que você assuma ser o que é

Como se pode viver uma vida inteira e não ser nada daquilo que realmente se é? Como conseguir fingir tão bem, melhor do que qualquer poeta fingidor, dores que nunca foram suas? Mentimos para nós mesmos. Somos demônios que ainda fingem ser anjos por algum motivo de orgulho e arrogância que não se pode entender. E não entendo. Quão belo é ser um anjo caído. E quão belo seria transformar o mundo em um Inferno de verdade ao invés desse teatro bobo e medíocre que apenas imita um inferno e que chamamos vida. Não existe vida. Só existe a Morte. A Morte gera a vida por espelhamento, assim como o vermelho só existe pelo fato de não ser azul. Leia mais

Andréa Góes

Autorrevelação

Quando em mim não me resolvo
Devolvo- e cuido da vida dos outros
Os que entendem- que aquilo nada lhes pertence
Aprendem a relevar
E me revelam- delicadamente- quando extrapolo o meu lugar
Os que não toleram minha intromissão
Me miram no gatilho- tá iniciada a explosão
No whatsapp, facebook, cara a cara
#soquenao
Cada um saca a sua metralha
Todo mundo grita, ninguém cala
No fim cada um despe a sua máscara
No conforto da solidão,
No confronto com a própria sombra
O único ponto
Era extravasar a frustração,
Atirar pra qualquer lado…
Não era pra ter entendimento ou aprendizado.
Nesse jogo viciado
Ninguém brinca pra perder
É uma grande gincana
De esbravejar sem nada dizer. Leia mais

Jey Leonardo

Amar é não ter medo de expor sua vulnerabilidade

Amor. É dar um beijo sabendo que está prestes a pegar uma gripe. É, mesmo tendo conhecimento dos riscos, se afogar num mar de línguas. É desconhecer distâncias e desafiar perigos. É ser surpresa de repente em dia de carência. É comprar um chocolate, mesmo, sinceramente, se esquecendo da dieta ou de alguma promessa. É esquecer problemas e atribulações e apenas estar ali, de corpo e mente. É cuidar e, principalmente, se deixar ser cuidado. É dar aberturas para que vejam seus pontos mais fracos, seus egoísmos, seus erros e seus medos. É não ter medo de ser o que se é, de se mostrar como se é. É confiar e respeitar. Leia mais

Jey Leonardo

Ninguém tem tempo para o que não está interessado

Às vezes tenho a sensação que estou vivendo cercado por uma redoma de compromissos mais importantes ou talvez desculpas que se sobressaiam como uma esquiva infalível diante de mim. As pessoas andam muito ocupadas. E a impressão que elas deixam é de que não sobra tempo para nada. Nem ninguém. Leia mais