Andréa Góes

Insônia

No meio da noite
Mergulhada em negro poço
A insônia me possui
Se apossa de tudo o que me aflige
E eu já não posso com o medo,
A insegurança me dirige
Exige que eu seja tudo aquilo que não fui
Corrige meus futuros atos
Inflige punição aos passos falsos
Aponta erros de percurso no asfalto interno- que queima
No asfalto inferno, que lembra
Tudo o que a luz do dia esconde
Mesmo com os faróis acesos e a cabeça alerta. Leia mais

Andréa Góes

Se eu fosse eu

Se eu fosse eu
Fugiria da lucidez
Pararia de fingir que caminho com essas pernas bambas,
que me movo com esses braços largos, desencontrados
Encontraria nas nuvens o meu espaço,
Seria, enfim, tudo o que faço
quando ninguém vê, ouve ou sente
Assumiria as asas que tenho,
os vôos noturnos que escondo,
tudo o que está oculto nos meus escombros
Me guiaria pela lua,
em plena luz do dia.
Eu seria loucura,
e essa seria a única roupagem necessária que bastaria. Leia mais

Andréa Góes

Autorrevelação

Quando em mim não me resolvo
Devolvo- e cuido da vida dos outros
Os que entendem- que aquilo nada lhes pertence
Aprendem a relevar
E me revelam- delicadamente- quando extrapolo o meu lugar
Os que não toleram minha intromissão
Me miram no gatilho- tá iniciada a explosão
No whatsapp, facebook, cara a cara
#soquenao
Cada um saca a sua metralha
Todo mundo grita, ninguém cala
No fim cada um despe a sua máscara
No conforto da solidão,
No confronto com a própria sombra
O único ponto
Era extravasar a frustração,
Atirar pra qualquer lado…
Não era pra ter entendimento ou aprendizado.
Nesse jogo viciado
Ninguém brinca pra perder
É uma grande gincana
De esbravejar sem nada dizer. Leia mais

Andréa Góes

É preciso ver com as lentes do coração

Às vezes é preciso de um olhar visitante
Daquele perto, distante
Que não tem sua vista cansada
Que não tem sua alma viciada
Com as lentes da rotina
Aquela óbvia, costumeira, que tudo vê
Menos que a sua forma de enxergar
Deixa sempre escapar
Pelas mãos
Aquele tanto de emoção
Uma cota de surpresa
Aquela parte em liberdade. Leia mais

Andréa Góes

Mulher, tu és linda do jeitinho que é

Se você se visse como eu te vejo
Não desejaria mudar nada em si mesma,
Nem os seios, o rosto ou o cabelo.
O que de mais lindo você tem
Tem nesse corpo vivo, inteiro
Que abraça e abarca
O fim, o início e o meio.
Se não adianta querer decepar a alma,
Mudar uma linha da sua mão,
Por que ainda insiste em esconder suas linhas,
Se alinhar num outro padrão?

Suas curvas,
Mostram o quanto você flui, rio caudaloso
Não se cala, ecoa, esse seu corpo.
As marcas escancaram tudo aquilo que você já viveu
Tudo o que em ti pulsa,
Que está vivo ou que já morreu.
Essa máquina estridente e feroz que nos sustenta
É instrumento de vida, ávida em instinto
Se você não quer passar ilesa pela vida- como seu corpo passaria extinto
De qualquer lembrança
Ainda que isso seja uma celulite, estria ou marca de infância?

Autêntica
Você não se encaixa em padrões limitantes
Se não cabe em uma caixa
Porque caberia em um modelo de mulher enjaulada?
Numa cintura que não se solta para a vida?
Num cabelo que não voa ao vento?
Num seio que não guarda afeto?
Numa pele lisa, que só pensa em fugir do tempo?

Tudo é pintura divina do criador
Que com seu pincel mágico, em cada uma, deixa diferente cor
Mas as mulheres teimam em querer apagar
Qualquer vestígio que as lembre
Que o vestido da pele,
Não é de marca, tem prazo de validade e não dá para trocar.

Se você se visse como eu te vejo
Veria o quanto é linda, menina
Meninice em mulher,
Vocé é pura vida
A vida pura, no corpo que tiver!

Andréa Goes

Andréa Góes

Meu ventre

Meu ventre
Se localiza entre a alma e o coração
Pulsa em comunhão com uma nova vida
Que ainda tão pequena e tão vivida
Já consegue ser gigante. Leia mais

Andréa Góes

Às vezes, a culpa pesa mais do que podemos suportar

A tua culpa vem em ondas
Por onde andas, não importa o que faças
Estás sempre errada,
Teu remo nunca te leva a nada
Além da autotortura.
Não importa a altura do que alcanças
Não importa se é espada ou lança que enfrentas
Teu rumo nunca é de paz
Estás sempre aquém, sempre atrás
De todo o teu potencial.
Teu prêmio é cobrança letal
Que ensina a sempre querer mais,
Ganhando cada vez menos. Leia mais